Sabe como proteger seu pet de pulgas e carrapatos no verão?

Com a chegada do verão, o clima fica mais quente e úmido, proporcionando as condições ideias para a reprodução das pulgas e carrapatos.

Por esta razão, precisamos redobrar a atenção com nossos bichinhos nesse período.

Para auxiliar nesta questão, a veterinária da Pet Shop Bichos da Serra, Fabiane Pedone Garcia, responde algumas das dúvidas mais frequentes dos donos de animais, confira:

A incidência de pulgas e carrapatos aumenta mesmo no verão? E na praia o perigo é maior, porque?

Pulgas e carrapatos são um problema muito comum na vida de cães e gatos, principalmente em períodos mais quentes, em que a temperatura e umidade favorecem sua proliferação. Até mesmo aqueles pets que convivem pouco com outros animais estão suscetíveis a esses parasitas, que causam desde uma simples coceira até a transmissão de doenças infecciosas graves.

Animais de estimação podem se coçar esporadicamente, mas não o tempo todo. Se a coceira ocorre com frequência, o animal pode estar infestado por pulgas.

Mesmo que o cão ou gato tenha estado em ambiente fechado a maior parte do tempo, as formas jovens destes parasitas (ovos e larvas) estão em todos os lugares e podem ser trazidas para dentro de nossas casas, seja no sapato ou em objetos.

Já em um passeio, mesmo que rápido, pulgas jovens, que acabaram de sair de seus casulos, podem pular no animal e começar uma infestação rapidamente. Isto porque, após a alimentação e acasalamento, as fêmeas das pulgas podem depositar até 50 ovos por dia no hospedeiro. Esses ovos caem no ambiente onde o animal costuma

passar a maior parte do tempo e, após maturação, liberam as larvas que se adaptam facilmente em locais como tapetes, caminhas e sofás.

Após um período de alimentação, as larvas se protegem num casulo chamado de pupa até amadurecer numa pulga jovem. Quando sai do casulo, essa pulga jovem procura rapidamente os animais para se alimentar e se reproduzir, dando continuidade ao seu ciclo.

Assim, quando se estuda as fases do ciclo da pulga, o que se observa no animal é apenas 5 % do problema, que corresponde às pulgas adultas, enquanto os outros 95% (ovos, larvas e casulos) estão espalhados pelo ambiente, o que reforça a importância de cuidar também dos locais onde os pets ficam.

Além da coceira e do incômodo por conta da picada das pulgas ou carrapatos, os animais podem sofrer com doenças que colocam em risco sua saúde. A DAPE (Dermatite Alérgica à Picada de Ectoparasitas) é uma doença dermatológica alérgica muito comum em cães e gatos e deve sempre ser considerada como um agravante nos casos de infestações por estes parasitas.

Além disso, as pulgas podem transmitir verminoses e bactérias, bem como provocar anemia em filhotes altamente parasitados.

Os carrapatos também são ectoparasitas muito comuns. Um grande problema ao enfrentar infestações por estes parasitas é que eles são muito resistentes no meio ambiente, podendo sobreviver por meses sem se alimentar. A fêmea adulta chega a depositar no ambiente mais de 3000 ovos de uma só vez. Dos ovos, eclodem as larvas dos carrapatos, que irão se alimentar no hospedeiro e voltar para o ambiente, evoluindo para uma fase jovem chamada de ninfa, que também procura o hospedeiro para se alimentar e volta para o ambiente para se tornar adulto.

Entre estas idas e vindas entre hospedeiros (cães e, eventualmente, gatos) e o ambiente, a chance de transmissão de doenças infecciosas é aumentada, já que o

carrapato pode, durante sua evolução, alimentar-se de vários animais, até mesmo de seres humanos.

Em resumo, por causa deste comportamento, os carrapatos são excelentes carreadores de doenças causadas por bactérias e protozoários, transmitindo estes microrganismos muito facilmente entre os cães e seres humanos.

Quais as principais doenças transmitidas por carrapatos?

Erliquiose é a doença transmitida por carrapatos mais comum em cães. Ela é causada por uma bactéria e transmitida para o cão quando o carrapato se alimenta de seu sangue.

A bactéria leva a alterações das células do sangue, podendo causar anemia e plaquetas baixas. Como as plaquetas são células que participam da coagulação do sangue, é comum que os animais apresentem sangramentos pelo nariz ou em locais como o olho e na pele (caracterizado por pontinhos vermelhos conhecidos como petéquias). Alguns outros sintomas possíveis são: emagrecimento, falta de apetite, cansaço e febre.

Como prevenir os pets desses parasitas?

“Prevenir é essencial! ”. Ao manter o pet protegido, o tutor elimina as chances de o animal ser infestado, evitando que ele e todos que convivem na mesma casa sofram com os problemas causados por pulgas e carrapatos.

Existem diversos produtos no mercado, desde comprimidos como coleiras e pour on. Converse com seu Veterinário de confiança, que este indicará o produto mais adequado ao seu Bichinho.

Segundo a Dra. Fabiane Garcia, ao perceber qualquer um dos problemas citados, o ideal é levar o animal ao veterinário para confirmar o diagnóstico e começar o tratamento.

Sabe como proteger seu pet de pulgas e carrapatos no verão?

Gostou? Então compartilhe:

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on pinterest
Pinterest
Share on whatsapp
WhatsApp

Banho e tosa, Consultório veterinário, EcografiaPet shop, Profilaxia dentária, Vacinas

(54) 99185-4382

(54) 3295-2300

Rua Emílio Leobet, 1783,
Bairro Avenida Central, Gramado – RS

falecom@bichosdaserrapetshop.com.br

© 2020 - Todos os direitos reservados a Bichos da Serra Pet Shop